quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

José Rodrigues Miguéis, Abaixo o Ministério!


Em 1975, há portanto 36 anos, José Rodrigues Miguéis publicou o seu romance “O Milagre segundo Salomé”, cujo ambiente se situa no período que conduziu ao derrube da I República, em 28 de Maio de 1926. No “Entremez II”, com o título “Abaixo o Ministério!”, o autor, explicando o momento histórico, escreve o seguinte:

“Em tudo o mais divergente, a Nação pôs-se de acordo num ponto: estamos em crise. Crise profunda, orgânica, ancestral. Cada qual dá-lhe porém um conteúdo específico diverso: para uns ela é apenas política, para outros económica e financeira, ou meramente pedagógica e moral. Há mesmo quem pense que a Nação nasceu em crise, ou de uma crise: aleijada. Segundo este, ela vem das Navegações & Conquistas; para aquele, da Aliança Inglesa. Atribuem-na uns ao Absolutismo, aos Jesuítas e à Inquisição, outros responsabilizam dela Pombal, o Liberalismo, a Maçonaria e o Bolchevismo. Ou até a sífilis endémica. Diz um que as Colónias são o cancro da grei, outros proclamam que elas são a reserva do nosso futuro. Chovem panfletos, ribombam polémicas, há pugilatos ao Chiado, comichões teóricas, orgânicas, temperamentais. Um delírio de reforma galvaniza a alma nacional, ou o que passa por sê-lo. Tudo caminha mal: a moeda, as colheitas, os impostos, a chuva, a seca, o parlamentarismo, a balança comercial, o ensino, os tabacos, as pragas de gafanhotos, as artes gráficas, e outros aspectos crónicos da existência colectiva. Felizmente descobriu-se há dias, na Sociedade de Geografia, que somos uma Potência Colonial. (Algum dia lhe chamarão Império.)
Em todo o caso, para sair da Crise, bastará uma destas simples soluções: equilibrar o Orçamento, derrubar o ministério, ou refazer a História. Sim, já ninguém atura este governo. A ideia de que ele está no poleiro há mais de seis meses não nos deixa dormir em paz. Urge derrubá-lo, ainda que seja pela força, uma vez que (textual: a frase é do Redentor) «o Congresso que para aí está, divorciado do Povo, lhe assegura a perpétua ditadura parlamentar». Intelectuais, imprensa, partidos, funcionários, lavradores, proprietários, operariado, ricos e pobres - todos contra o governo. (…)
Para tudo ser unânime, o ministério entra em conflito consigo mesmo e ameaça desintegrar-se. Até a maioria parlamentar que o sustenta parece rebelada. Todos apelam para o chefe do Estado, que além de não ter poderes nenhuns, está de cama com a influenza. «Será a influenza... espanhola?», sibilam línguas viperinas. É um trocadilho de mau gosto, mas que querem, receia-se o iberismo.
A democracia terá perdido a coragem dos seus fins?
Ainda estão vivas na memória de todos as privações e dores da grande guerra, as epidemias, a confusão que ela gerou. Há desigualdades e injustiças. Ao lado de fortunas fabulosas, rapidamente acumuladas, há miséria e há fome, há desemprego, e morre gente sem assistência. Temos as furnas de Monsanto e os bairros das minhocas, as gaiolas de greda que desabam a um sopro de vento. (Os construtores desaparecem.) Ao lado da ociosidade e do parasitismo, temos o trabalho antieconómico, semi-servil, o salário abaixo de todos os padrões, a subnutrição, o analfabetismo. No dizer do próprio chefe do governo, o país continua a saque, nas mãos de salteadores internos e internacionais. E que há-de ele fazer na sua total impotência?
A balança comercial e a de pagamentos estão cronicamente desequilibradas; o Orçamento geme ao peso de despesas improdutivas: e não temos exército, nem esquadra, nem marinha mercante, nem estradas, nem escolas, nem trigo, nem combustíveis, nem minérios, nem investigação científica, nem juízo: não temos nada. (…)”.

Ver uma análise muito interessante desta obra em:  http://hasempreumlivro.blogspot.com/2008/01/o-milagre-segundo-salom-de-jos.html




2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  2. Um dos livros que mais me marcou, uma pena que hoje já ninguém o leia.

    ResponderEliminar